No Momento Phytus da última semana, o Fitopatologista do Instituto Phytus, Dr. Marcelo Madalosso, aborda os fatores que afetam o residual de controle, ou seja, o tempo que o produto age no interior da planta sobre a ação do patógeno.

Entre os fatores, o pesquisador destaca a condição de desenvolvimento da planta, tanto seu balanço nutricional quanto seu estresse hídrico. “Já observamos que o estresse hídrico está muito relacionado à duração desse residual. Em plantas com maior estresse hídrico, por exemplo, o residual do produto tende a aumentar, devido à dinâmica da água no interior da planta”.

Outro enfoque é o produto. Madalosso explica que produtos com variações de movimentação e com maior absorção na área foliar possuem residuais diferentes. “Hoje se volta a trabalhar com produtos de contato, os quais permanecem com residuais limitados até a próxima chuva. Esse efeito diminuirá consideravelmente o residual do produto. Já produtos mais modernos são absorvidos na planta e, então, o residual se estenderá em função da movimentação no xilema e mesostêmica”.

A tecnologia de aplicação é outro fator que deve ser levado em conta. O baixo volume de calda, a aplicação atrasada, a utilização de gotas Muito Finas e a retirada do adjuvante do fungicida afetam o residual. Para ter acesso ao conteúdo completo do vídeo e conhecer demais detalhes acerca do assunto, basta acessá-lo gratuitamente por meio do link http://goo.gl/AzMREB.

Acesse as redes sociais do Instituto Phytus e conheça as novidades em pesquisa, ensino e comunicação para o agronegócio: pelo twitter @iphytus e também pela fanpage facebook.com/iphytus. Além desses canais, o Instituto também está conectado com seus públicos através do Google+ http://goo.gl/459GJ6 e do Linkedin http://goo.gl/VOoPnf .

Fonte: agrolink