Começa nesta quarta-feira (18.03) o levantamento de custos de produção do arroz irrigado no Estado pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), conforme adiantado pela reunião da Câmara Setorial da Cadeia do Arroz em 25 de fevereiro. A Companhia prometeu revisar suas planilhas de custos, que servem de base para o preço mínimo, após pressão das entidades do setor. Além disso, tabelas específicas de custos de produção para o arroz, pleito antigo dos produtores rurais, devem ser criadas.

O primeiro encontro será na Associação dos Arrozeiros de Uruguaiana. Os trabalhos serão desenvolvidos por técnicos da Conab matriz e de sua superintendência no Estado, com participação da Farsul e demais entidades envolvidas. Os outros painéis acontecem no Sindicato Rural de Cachoeira do Sul (20.03), na Associação Rural de Pelotas (24) e no Sindicato Rural de Santo Antônio da Patrulha (26), todos às 8h.

Francisco Schardong, presidente da Câmara Setorial e da Comissão do Arroz da Farsul, comemora o início das atividades que devem aproximar as planilhas da Conab com a realidade do produtor do Estado, garantindo mais tranquilidade no campo. “A Federação da Agricultura sempre defendeu a revisão dos custos de produção do arroz e do preço mínimo”, afirmou Schardong.

O preço mínimo do arroz é uma ferramenta de política agrícola que garante aos produtores rurais uma renda mínima necessária nos casos de queda de preços do mercado.

Fonte: Agrolink