Operando em mercado firme já há alguns dias, ontem (26) o frango vivo comercializado em Minas Gerais obteve novo ajuste de cinco centavos, o segundo de agosto e dos últimos 37 dias. O interessante é que, a exemplo do registrado em julho passado, os dois ajustes ocorrem na segunda quinzena do mês, período em que, normalmente, as negociações sofrem sensível refluxo e os preços se tornam instáveis.

Com a correção de ontem, a cotação do frango mineiro sobe para R$2,90/kg, o maior valor dos últimos 10 meses, o que significa remuneração ainda aquém da alcançada entre 16 e 26 de outubro do ano passado - R$2,95/kg. Esta, por sua vez, continua bem distante dos R$3,05/kg de janeiro-fevereiro de 2013, até aqui o maior valor nominal alcançado pelo frango vivo em Minas Gerais.

Mas, retornando às comparações mais imediatas, a nova cotação corresponde a incrementos de 3,57% no mês, de 7,41% em doze meses e de 26,09% em relação ao preço inicial do ano – um índice elevado explicado pelo fato de, em Minas Gerais, o frango vivo ter iniciado 2015 cotado a R$2,30/kg, ou seja, a menos de 80% do preço atual.

Em São Paulo, o frango vivo está em vias de completar seis semanas (isto é, o tempo de criação de uma nova “fornada” de frangos) com o preço inalterado em R$2,70/kg. Mas surpresas podem ocorrer. É que, no atacado paulistano, o mercado – ao contrário dos meses anteriores – vem reagindo em pleno período de depressão de preços, o que significa que, a despeito do final de mês, o produto se mantém atrativo.

Tal comportamento aliado ao fato de que a oferta de aves vivas se mantém equilibrada – sem déficits, mas também sem excedentes – mesmo não conduzindo a um reajuste, antecipa que o mês será encerrado sem retrocesso da cotação vigente.

Fonte: Agrolink