De acordo com relatório da Consultoria Céleres, a segunda safra de milho deverá chegar a 52,8 milhões de toneladas. O número representa uma baixa de nada menos que 10% na comparação com a projeção divulgada em abril (58,8 milhões de toneladas) e queda de 4,6% ante a temporada passada.

A estiagem prolongada em diversas regiões produtoras do Brasil é apontada como o principal problema para a popularmente chamada 'safrinha'. Além disso, o calor intenso castiga a Região Centro-Oeste do País, aponta a Céleres.

“No que se refere à produtividade, as observações a campo indicam que já existem perdas irrecuperáveis devido à forte estiagem de abril/16, na qual importantes regiões produtoras ficaram cerca de 20 dias sem chuvas, sobretudo em Goiás e Mato Grosso”, afirmou a Consultoria em seu reporte.

“Há que se considerar que a frustração nas lavouras de milho poderá ser maior, uma vez que parte dessas ainda está em estágio de floração e enchimento de grãos, o que nos leva a crer que possíveis chuvas em maio/16 sejam determinantes para o efetivo potencial produtivo da safra de inverno”, acrescentou a Céleres. O boletim indica ainda “projeção com viés negativo, sendo possíveis novos cortes na produção, a depender dos níveis pluviométricos observados no decorrer de maio/16”.


Fonte: Agrolink